Veja o Trailer

 

logo_no_ar

 

Abia

Vencedor de Melhor Filme no V Cine Fest Petrobras Brasil, Nova York 2007
V Cine Fest Petrobras Brasil

 

Blog Francês Cinemaniac

Texto traduzido do blogo francês cinemaniac.
"Três Irmãos de Sangue" / Festival de Cinema Brasileiro / Semana do documentário
Por Vierasouto, dia 04/05/2007 às 04:00 – Categoria: Rio 2006 + Festival de Cinema Brasileiro

"Três irmãos de sangue"
de Ângela Patrícia Reiniger

Como eu tinha escrito na minha nota sobre o programa do Festival de Cinema Brasileiro e a Semana do Documentário que acontece de 2 a 8 de maio, foi por acaso que conheci a diretora Ângela Patrícia Reiniger na abertura da mostra de filmes de ficção. Ângela foi muito convincente na maneira de me apresentar seu documentário, e resolvi ver isso de mais perto hoje à tarde no cinema Latina que fica no Marais em Paris.

A princípio, o assunto não tem nada de lúdico: três irmãos que morreram de AIDS, três personalidades ícones conhecidas no Brasil inteiro por razões alheias a sua doença, mas que eles transformaram num motor de vida. A diretora dividiu seu filme em três partes. Primeiro, as origens, segundo, o sangue do Brasil, e terceiro, a AIDS. Ela tratou as duas últimas partes de maneira transversal, o que lhe permitiu respeitar a vida desses três homens que se desenrola "como uma ópera", diz uma das testemunhas no filme.

Nascidos numa família de 16 filhos, dos quais somente 8 sobreviveram, Henfil, Chico Mário e Betinho se investiram numa luta política e social, cada um na sua área. Henfil foi um chargista muito respeitado na imprensa nacional, sobretudo com o personagem do Fradinho. Não hesitou em usar sua mãe nas suas crônicas para falar mal do regime militar. Chico Mário, violonista desde a infância, foi autor e compositor de canções engajadas. Betinho, o mais velho, é o mais famoso dos três. Sociólogo renomado, ele recebeu no fim da vida o prêmio Nobel da Paz pela criação da ABIA, organização de luta contra a AIDS, e por suas numerosas campanhas contra a fome.

Na sua infância, os três filhos hemofílicos foram protegidos e mimados por suas irmãs, que os proibiam brincar para não se ferir – interdição que eles transgrediam alegremente. Passaram a infância no sertão do norte do estado de Minas Gerais. Primeiro, foram criados num penitenciário onde o pai deles era funcionário. Depois, em Belo Horizonte, onde o pai tinha uma funerária. As irmãs têm lembranças muito alegres da infância... Quando são convidadas a voltar a Belo Horizonte nos dias de hoje, uma das irmãs entrevistadas, uma senhora de cabelo ruivo, descarada e terrivelmente simpática, faz comentários muito engraçados sobre a evolução dos caixões, que se tornaram "muito chiques" com o tempo... A maternidade fica à proximidade da funerária, e ela brinca dizendo que a vida e a morte são negócios que certamente dão dinheiro no Brasil...

Na sua infância, os três filhos hemofílicos foram protegidos e mimados por suas irmãs, que os proibiam brincar para não se ferir – interdição que eles transgrediam alegremente. Passaram a infância no sertão do norte do estado de Minas Gerais. Primeiro, foram criados num penitenciário onde o pai deles era funcionário. Depois, em Belo Horizonte, onde o pai tinha uma funerária. As irmãs têm lembranças muito alegres da infância... Quando são convidadas a voltar a Belo Horizonte nos dias de hoje, uma das irmãs entrevistadas, uma senhora de cabelo ruivo, descarada e terrivelmente simpática, faz comentários muito engraçados sobre a evolução dos caixões, que se tornaram "muito chiques" com o tempo... A maternidade fica à proximidade da funerária, e ela brinca dizendo que a vida e a morte são negócios que certamente dão dinheiro no Brasil...

Para o espectador francês, o filme é rico em informações. Além de nos ligarmos rapidamente às personalidades dos três irmãos, a sua coragem, generosidade, sorriso, através de vários trechos de imagens de arquivos em diferentes períodos de suas vidas e dos testemunhos das pessoas mais próximas deles, ainda aprendemos o essencial sobre o final da ditadura no Brasil. É possível também medir a catástrofe que foi a epidemia da AIDS no Brasil. Uma das primeiras preocupações do Betinho, quando soube que estava contaminado pelo vírus, foi pensar em proteger os outros, controlar o sangue das transfusões, e criar a ABIA, organização de luta contra a AIDS financiada por recursos privados.

Depois da morte de seus dois irmãos com 40 e 44 anos, Betinho fez um teste e descobriu que ele também estava com o vírus. Morreu da doença com 62 anos. Para comprar remédios para Chico Mário, seus amigos músicos organizaram um show. No palco, Chico disse: "Luto para sobreviver como os pobres para viver". A solidariedade da família, a solidariedade entre os três irmãos, a solidariedade de todos os seus irmãos brasileiros é algo estupendo para nós. Uma propaganda chocante da época mostra um prato de ferro vazio que roda para formar a letra "o" da palavra "fome" com o comentário seguinte: "O prato do dia dos brasileiros". Isto é, nada!

Visto de Paris, numa confortável poltrona do cinema Latina num bairro na moda, um dia depois do debate acirrado entre Ségolène e Sarkosy com a anti-solidariedade e os falsos problemas dos países ricos, entre a leitura de matérias de duas revistas do tipo "Elle" sobre como perder ainda mais quilos para caber numa calça jeans suja e arrebentada tamanho 38 de um criador absurdamente caro, nada melhor que este filme para reencontrarmos uma escala de valores!

O documentário de mais de duas horas de duração será distribuído em DVD nas escolas brasileiras numa versão de 50 minutos. Não seria inútil tentar divulgá-lo de forma mais ampla... Eu tive uma experiência diferente, foi como uma terapia porque, devo confessar, sai da sala muito melhor que entrei. O filme, que retrata o destino desses três irmãos, é uma magistral lição de vida. Ele nos faz rir, chorar, nos revoltar e viver...

Segunda sessão do filme no cinema Latina, 20 rue du Temple, Paris (4o), metrô Hotel de Ville: domingo 6 de maio às 20:00. (O filme será seguido às 22:00 por "Fabricando Tom Zé", um documentário sobre o cantor Tom Zé que ganhou o prêmio do público no Festival do Rio)

Link com informações oficiais sobre Herbert (Betinho) de Souza no âmbito da luta contra a AIDS: www.aids.gov.br/betinho

"O jovem não é o amanhã, ele é o agora"
Fonte